segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

OPINIÃO DO LIVRO: "PRIMAL"


A capa me chamou a atenção: "Sem roupas. Sem abrigo. Sem esperança de resgate. Apenas o brutal instinto de sobrevivência." Pronto isso tinha bastado para a decisão de quero ler esse livro. 

Você começa a ler e pensa: Um livro baesado em fatos reais? Mas não. Nada remetia a isso. Prossegui com a leitura.

O prórpio autor, Robin Baker, é um dos personagens do livro. Ele é o autor que resolve investigar a história de um grupo de estudantes que foi para uma ilha no Pacífico fazer um trabalho de campo por quatro semanas, mas que por algum motivo não voltam e só são resgatos 1 ano depois. Diante desse mistério, você acha que tem um livro que será devorado em dois tempos. Ledo engano. Pelo menos comigo não funcionou assim. 

No prólogo, o autor, explica o porque do livro, e justifica a razão do livro ser dividido da forma que foi. 

A primeira parte, a História de Ysan, uma das sobreviventes, é a versão dela, ao que aconteceu, mas que fica chata durante algumas passagens que me fizeram pensar até em desistir. Mas o mistério plantado lá na frente do "O que acotneceu come eles?" me fez respirar fundo e avançar. Entre altos e baixos passei a primeira parte do livro. 

A segunda parte é mais emplogante. É quando o autor relata a sua visão do que aconteceu e da sua investigação. E é quando os mistérios são revelados. É quando nos deparamos com as transformações dos personagens diante do novo, da nova condição de vida. E isso é interessante ver crescer nos personagens. Ver que conceitos, medos podem e são mudados e superados. Você acompanha a adaptação deles ao "novo lar". É como se começar uma nova vida do zero, mas já na idade adolescente. 

Algumas passagens mais brutais pode não agradar assim como as cenas de sexo relatadas. Mas a vida na selva é assim, diferente de tudo o que você já viu e acha que conhece. 

Classificação:  ☻☻☻☺☺

☻ Péssimo ☻☻ Ruim ☻☻☻ Bom ☻☻☻☻ Muito Bom ☻☻☻☻☻ Ótimo  

PRIMAL - ROBIN BAKER -  EDITORA RECORD - 390 páginas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário